O Que Jennifer Fez? Jennifer Pan, a Suzane von Richthofen americana

Quase uma década se passou desde que Jennifer Pan, então com 28 anos, foi condenada à prisão perpétua por contratar assassinos para matar seus pais. Agora, um novo documentário da Netflix, “O Que Jennifer Fez”, lançado em 10 de abril, examina como Pan foi de uma pianista talentosa na infância à sua condenação por assassinato em primeiro grau, com base em mensagens de texto incriminadoras e entrevistas com detetives envolvidos no caso.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? CLIQUE AQUI e aproveite!

Trama de O Que Jennifer Fez?

Em 8 de novembro de 2010, ocorreu o assassinato da mãe de Pan, Bich Ha Pan. Já seu pai, Huei Hann Pan, ficou em coma após um ataque violento em sua casa em Markham, Ontário, cerca de 32 quilômetros fora de Toronto. Pan foi a única testemunha sobrevivente, e o documentário inclui imagens de entrevistas da polícia com Pan no rescaldo da invasão domiciliar.

No documentário, os detetives deixam claro que estavam desconfiados de Pan desde o início. Como a diretora Jenny Popplewell descreve, “Por que deixar uma testemunha sobrevivente? Se você vai atirar em duas pessoas, atiraria na terceira.” Além disso, imagens da câmera de segurança de um vizinho mostraram três homens entrando na casa, mas sem sinais de arrombamento.

Jennifer Pan e o crime não perfeito

Através de imagens do interrogatório de Pan, o documentário revela como Pan se enredou em uma teia de mentiras. Ela mentiu sobre se formar no ensino médio e frequentar a faculdade, chegando a forjar boletins e documentos de empréstimos estudantis usando o Photoshop.

Ela disse aos pais que estava cursando uma graduação na Universidade Metropolitana de Toronto (anteriormente Ryerson). Inclusive, seus pais até a levaram até lá porque achavam que ela estava frequentando aulas. Seu pai sonhava que ela se tornasse farmacêutica, enquanto sua mãe queria que ela praticasse piano em todo o tempo livre. Ela era uma pianista premiada, mas ficou claro que as expectativas dos pais não eram suas paixões.

Na verdade, sua paixão era Danny Wong, um trabalhador de restaurante de pizza e traficante de drogas com quem ela namorou por sete anos. Após sua prisão, a polícia encontrou notas no diário em que Pan escreveu sobre como namoraram intermitentemente e como seus pais não queriam que ela ficasse com ele. Ela ficou tão deprimida que começou a se cortar e disse à polícia que contratou os assassinos para matá-la. “Eu precisava que eles me matassem”, diz ela em imagens de seu interrogatório por um detetive. “Eu não queria mais viver…porque eu era uma decepção.”

Base do documentário

O documentário se baseia em pesquisas e imagens policiais que o repórter de crimes Jeremy Grimaldi usou para seu livro de 2016 sobre o caso, A Daughter’s Deadly Deception: The Jennifer Pan Story. Através de uma solicitação de registros de 2014, Grimaldi obteve mensagens de texto do telefone de Jennifer mostrando que Wong disse que contratou um assassino chamado “amigo”.

No documentário, policiais envolvidos na investigação afirmam que acreditam que Wong queria os pais de Pan mortos porque esperava se beneficiar do seguro de vida e da casa que Pan receberia, talvez para financiar seu tráfico de drogas.

No documentário, os detetives também descobriram que Pan estava tão determinada a matar seus pais que ofereceu para pagar a um outro amigo homem para fazer isso, mas esse plano não se concretizou.

A condenação de Jennifer Pan e seus comparsas

Em 2015, Pan, Wong, mais dois homens que ela contratou, Lenford Crawford e David Mylvaganam, foram condenados à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional por 25 anos pelo assassinato em primeiro grau da mãe de Pan, e à prisão perpétua pela tentativa de assassinato do pai de Pan. Em maio de 2023, eles ganharam um recurso porque o júri não teve a opção de assassinato em segundo grau no caso do assassinato da mãe de Pan. Agora cabe à Suprema Corte do Canadá decidir se haverá outro julgamento.

Os documentaristas esperam que o filme da Netflix ajude a trazer nova atenção ao caso, já que os detetives ainda estão procurando um terceiro assassino. Pan e seu pai recusaram-se a ser entrevistados para o documentário. E assim, o que realmente aconteceu na casa dos Pan antes do assassinato é um mistério.

Popplewell espera que o estado mental perturbado de Pan inspire os espectadores a recomendar ajuda para entes queridos que pareçam tão isolados quanto Pan. “Isso não foi um estalo imediato, foi um desenrolar lento que teve a oportunidade de ser interceptado e para ela receber ajuda”, diz Popplewell. “E, infelizmente, não parece que ela foi capaz de falar com as pessoas certas sobre suas emoções e como estava se sentindo…Em vez de direcioná-la para o apoio, Daniel deu a ela o número de telefone do ‘amigo'”.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.