O Fabricante de Lágrimas: História Real do Filme; Significado do Título

Toda história de romance tem uma pitada de conto de fadas. Seja um conto de amor jovem com um final feliz ou algo um pouco mais trágico, se envolve romance, é possível encontrar elementos dos contos de fadas. O mesmo é verdadeiro para “O Fabricante de Lágrimas” (The Tearsmith) da Netflix, que narra a história de dois jovens adultos, Nica e Rigel, enquanto lidam com os traumas de seu passado em um orfanato sombrio.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? CLIQUE AQUI e aproveite!

O Conto de O Fabricante de Lágrimas: Um Refúgio Emocional

Logo no início do filme, Nica conta ao público o conto de fadas de um homem que criava lágrimas. Ela descreve um lugar tão desprovido de emoções que ninguém mais chora lá. Esse lugar é assombrado pela falta de alma de seu povo, que eventualmente fica tão desesperado para sentir algo que recorre ao Tearsmith. O personagem do Tearsmith na história é descrito como uma pessoa pálida e encurvada que vive nas sombras. É apenas quando as pessoas vêm até ele, pedindo para fazê-las chorar, que ele enche seus olhos com suas próprias lágrimas e as ajuda a sentir coisas, seja felicidade, raiva, tristeza ou qualquer outra coisa.

O conto do Tearsmith parece ter sido criado sob medida para a história de Nica e Rigel. Assim como os personagens do conto, eles se encontram em um lugar onde as emoções são suprimidas e a dor é uma constante. Nica e Rigel, junto com outros órfãos, aprenderam a se desligar emocionalmente para sobreviver em um ambiente de abuso e negligência. No entanto, eles encontram um ao outro como âncoras de apoio emocional em meio ao caos de suas vidas.

A Transformação de Rigel e Nica em Tearsmith um do Outro

Rigel e Nica se tornam os Tearsmith um do outro. Enquanto Nica desperta as emoções há muito tempo reprimidas em Rigel, ele se torna seu pilar de apoio emocional em um mundo de escuridão. Suas interações intensas e seus gestos de cuidado e proteção revelam o poder transformador do amor e da conexão humana, mesmo nas circunstâncias mais adversas.

Em última análise, “O fabricante de lágrimas” não é apenas uma história de amor trágica, mas também uma jornada de redenção e esperança. Ao encontrar um ao outro, Nica e Rigel descobrem o poder curativo do amor e da conexão, e juntos eles encontram o seu próprio final feliz, que é tão inspirador quanto os contos de fadas que os influenciaram.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.