Depois da Cabana: A Sombria História de Lars Rogner

A minissérie de suspense psicológico da Netflix, intitulada originalmente “Liebes Kind”, dirigida por Isabel Kleefeld e Julian Pörksen, é uma adaptação do romance homônimo da autora Romy Hausmann. A série em língua alemã, conhecida como “Depois da Cabana“, mergulha profundamente na psicologia obscura de seus personagens, revelando segredos sombrios sobre uma família que vive isolada. Entre os mistérios que permeiam a trama, destaca-se a figura enigmática de Lars Rogner.

Quem é Lars Rogner?

depois-da-cabana-lars
Imagem: Netflix | Edição: Minha Série Favorita

Lars Rogner, o personagem central deste intrigante enredo, desempenha um papel vital na trama. Ele é o proprietário de uma empresa de segurança que realiza vigilância na base militar onde Jasmin, também conhecida como Lena, foi mantida refém. O acidente de carro que levou Lena ao hospital desencadeou uma série de eventos que revelaram segredos enterrados há treze anos.

No sexto episódio da série, a investigação liderada por Aida Kurt e Gerd Bühling revela que Lars Rogner está por trás dos sequestros de Lena e Jasmin. Enquanto a polícia interrogou todos os funcionários da empresa de segurança, o dono permaneceu incógnito. A conexão entre a empresa de Lars e os Becks finalmente lança luz sobre a identidade do sequestrador.

A mente obscura por trás de Depois da Cabana

Lars Rogner, como personagem, é um estudo intrigante de uma mente perturbada. Abandonado por sua mãe na infância, Lars desenvolveu problemas psicológicos profundos que o levaram a uma obsessão doentia por mulheres, que ele sequestra e submete a um verdadeiro inferno. Sua trama se desenrola quando ele tenta levar Hannah e Jasmin para sua nova casa, forçando-as a obedecê-lo novamente. Contudo, Jasmin, com astúcia, cria uma distração que culmina na morte de Lars, garantindo sua liberdade e o futuro de Hannah e Jonathan.

Embora o personagem de Lars Rogner seja aterrorizante e sinistro, é importante destacar que ele não tem base em um criminoso real. Romy Hausmann, autora do romance que serviu de inspiração para a série, deixou claro que sua história é completamente fictícia. Embora Hausmann busque criar personagens e narrativas realistas, não há qualquer inspiração direta em casos criminais da vida real.

Entretanto, os crimes e tendências perturbadoras atribuídas a Lars Rogner apresentam semelhanças com casos reais de sequestro e abuso. Isso confere ao personagem fictício uma aura sinistra que ecoa criminosos reais como Josef Fritzl, Franklin Delano Floyd e Robert Berchtold. Assim, embora seja fictício, Lars Rogner contribui para a sensação de realismo nos elementos de suspense policial presentes no livro e na adaptação televisiva de “Depois da Cabana”. A série nos faz refletir sobre as profundezas obscuras da mente humana, mesmo quando não se baseia em eventos reais.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.