Cidade de Mentiras: Final Explicado do Filme

Cidade de Mentiras” é um filme que mergulha fundo no assassinato nunca resolvido do rapper Notorious B.I.G., também conhecido como Christopher Wallace, e mostra como o Departamento de Polícia de Los Angeles (LAPD) provavelmente se envolveu no acobertamento do crime. Assim como os eventos na vida real, o final é devastador, sem nenhuma resposta concreta ou justiçaalcançada. Vamos entender melhor isso tudo.

+ Quer ganhar um teste de até 1 MÊS GRÁTIS DE STREAMING? CLIQUE AQUI e aproveite!

Cidade de Mentiras: O Detetive e o Repórter

O filme é focado no detetive Russell Poole (Johnny Depp), que dedicou anos (e sacrificou muito) tentando solucionar os assassinatos de Notorious B.I.G. e Tupac Shakur. Décadas depois, os casos seguiam abertos.

Eis que um repórter chamado Jack Jackson (Forest Whitaker) encontra Poole, determinado a desvendar os assassinatos de uma vez por todas. Quanto mais essa dupla se embrenha na investigação, mais eles descobrem um esquema gigante de corrupção institucional e racismo dentro do LAPD.

Cidade de Mentiras” dá uma atenção especial à famosa rivalidade entre rappers das Costa Leste e Costa Oeste dos EUA. Artistas de cada lado atacavam uns aos outros constantemente em suas músicas. No cerne desta rivalidade estavam ninguém menos do que Notorious B.I.G. (Costa Leste) e Tupac Shakur (Costa Oeste), ambos mortos em tiroteios.

O assassinato de Tupac ocorreu em 7 de setembro de 1996. Orlando Anderson, membro da gangue Crips e conhecido como Baby Lane, sempre foi o principal suspeito. Mas com o assassinato do próprio Anderson alguns anos depois, houve o encerramento do caso.

Wallace morreu apenas cinco meses depois, em 9 de março de 1997, enquanto estava em Los Angeles para uma premiação. O fato do crime ter ocorrido em Los Angeles colocou a investigação nas mãos do LAPD, e é justamente daí que vem a problemática.

Por que houve o assassinato de Notorious B.I.G.?

É importante lembrar que, na época desses crimes, o Gangsta Rap estava em alta. Vários artistas famosos realmente eram “gangsters” – cresceram em lugares complicados, muitos ainda mantinham vínculos com gangues e criminosos. Então, Poole e Jackson tinham motivos para suspeitar que o chefão e produtor musical Suge Knight tivesse planejado a morte de Wallace. Além de suas atividades extracurriculares nada discretas, Knight era dono da Death Row Records, a gravadora de Tupac.

A teoria é que, com a rivalidade entre as costas esquentando, Knight simplesmente queria Wallace fora do cenário. Como ele estava preso na época do assassinato, a investigação foi a lugar nenhum. Mas em “Cidade de Mentiras“, vemos Poole e Jackson reunindo provas que apontam o forte envolvimento de Knight. Tudo isso graças ao seu poder sobre a corrupta LAPD. Poole prova ter evidenciado conexões entre a polícia de Los Angeles e a Death Row Records antes mesmo da morte de Wallace.

Como o departamento censurou grande parte dos documentos para apagar essa mancha de sua história, essa teoria também nunca pôde ser oficialmente comprovada. Foram essas incertezas e pontas soltas que levaram Poole ao fundo do poço, como o filme retrata. O assassinato de Wallace entrou para a história como um dos casos mais famosos sem solução nos Estados Unidos.

Por que o LAPD nunca resolveu o caso?

Assim como no mundo real, as razões pelas quais o assassinato de Notorious B.I.G. permanece um mistério estão ligadas a várias teorias. O filme oferece uma explicação sólida: solucionar o caso provaria em definitivo a corrupção gigantesca e o acobertamento dentro do LAPD na época. O departamento estava cheio de policiais que operavam praticamente como membros de gangues, trabalhando em parceria com criminosos em troca de vantagens.

Em vez de usar esse caso tão importante como uma oportunidade de crescer e se reestruturar, a polícia permitiu que a corrupção continuasse roendo a instituição por dentro. “Cidade de Mentiras” mostra uma linha do tempo dividida: uma parte se passa logo depois do assassinato de Wallace, em 1997, outra quase 20 anos depois, em 2015. Nesse intervalo, nada mudou – os oficiais envolvidos em falcatruas continuaram impunes. Poole e sua investigação foram basicamente varridos para debaixo do tapete, para que a podridão do LAPD não viesse à tona.

E o que aconteceu com Poole?

Em suma, o final do Poole interpretado por Johnny Depp é trágico. Justo quando ele estava prestes a achar algo grande, após Jackson compartilhar pistas antigas, ele vai à divisão homicídios do LAPD em busca de apoio. Ao ser recusado, ele colapsa e morre logo depois. Nos créditos finais do filme, é revelado que o Poole da vida real teve um fim parecido, morrendo de um aneurisma.

Ele deu sua família, felicidade e o emprego que amava pela tentativa de levar justiça à família de Wallace e salvar a instituição que tanto respeitava. Infelizmente, morreu sem alcançar nada disso. O filme ressalta que Russell Poole foi só mais um dentre inúmeras pessoas que acabaram vítimas do fracasso do LAPD naquela época. Por fim, se a polícia tivesse feito a coisa certa, ele poderia estar em um lugar muito melhor quando, infelizmente, veio a falecer tão precocemente.

Gostou do nosso conteúdo? Acompanhe-nos no Google News e não perca nenhuma notícia.